terça-feira, 24 de abril de 2012

"Gente Inteligente Dá Livro de Presente"

Livrai-nos!

Este é o nome do nosso projeto de incentivo à leitura e também de uma microlivraria virtual e física destinada a promover autores paranaenses, localizada em Cascavel (PR).


É uma ideia correlata à Academia Cultural Uso da Palavra (Acup), idealizada por Regina Sperança e Duka Siliprandi.


A proposta é toda baseada em presentear livros: toda pessoa que adquirir um livro ganhará outro, virtual e surpresa, como presente.


O primeiro brinde-surpresa está disponível para quem acessar esta página. Basta ir apanhá-lo:

Brinde Surpresa

sexta-feira, 13 de abril de 2012

A generosidade de Walter Zimermann

Artigo do jornalista, escritor e radialista Walter Zimermann no jornal O Paraná, de Cascavel:

Entre a realidade e a ficção

                                                             Walter Zimermann
 

Não é pelo fato de ter pouca vocação para inventar coisas que devo ser contra a ficção. Provavelmente, até mesmo uma falta de competência para certo tipo de invencionismo, não raramente sedutor, que ao longo dos tempos consagrou e, ainda hoje, continua colocando tantos autores no pedestal da glória - não raramente também da fortuna, sendo essa uma consequência da outra.
Inclusive, Nelson Rodrigues andou se envolvendo com o gênero, ainda na década de 1940, por meio de alguns jornais. Depois veio a inesquecível Janete Clair, década de 1970, consagrando-se por suas envolventes ficções, cujo gênero, ainda hoje, merece espaço nobre na televisão, pela audiência que sempre proporciona. O fato de não ser essa a minha praia não me permite deixar de ser atraído por um bem bolado folhetim novelesco. Até porque ninguém é de ferro a ponto de desprezar uma bela trama. Nem sempre tão bela ou tão boa. No tempo das novelas de rádio, para o bem ou para o mal, cheguei a atuar como ator em algumas, no final da década de 1950. Já quanto à leitura de textos do gênero, são outros quinhentos.
Entre ficção e realidade, utilizo meu tempo com esta última, mesmo quando dura. Entre o razoável número de títulos que ocupam as prateleiras de minha modesta biblioteca, existem vários que tiveram a leitura interrompida. Um pecado. Justificável, para um cérebro sobrecarregado pelo peso dos anos, mas complicado. Passado algum tempo, você tem de começar tudo de novo, lá na primeira página.
No momento, leio Cascavel: Uma Santa na Encruzilhada, recente lançamento dos irmãos Sperança, Alceu e Regina. Estou com uma leve impressão de que, mesmo com alguns intervalos, irei até o fim. Escritores e, por consequência pesquisadores, eles vão fundo naquilo que se propõem a realizar. Os irmãos Sperança sempre têm algo mais para revelar sobre a Cascavel de ontem.
De figuras ilustres (outras nem tanto) que deram origem, a partir da antiga Encruzilhada, à cidade que hoje lidera o Oeste orgulhando seus filhos, principalmente os adotivos. E quando pensamos que já sabemos muito, lá vêm eles, os Sperança, com novas revelações, dando-nos uma dimensão bem mais ampla da realidade sobre pessoas e fatos que marcaram uma época que o tempo não tem o direito de sepultar. Nossos jovens devem buscar nos textos de Alceu e Regina aquilo que não aprendem na faculdade. E, como disse o filósofo cubano José Marti: “Nos preocupamos com todos os povos e nos esquecemos da nossa própria história”.
A convite da Academia Cascavelense de Letras, o lançamento ocorreu na sede da entidade, como parte da programação de abertura das atividades de mais um Ano Acadêmico e posse da diretoria recém-eleita. Esperamos que a aceitação pelo público, dos que se interessam por essa inquestionável fonte de cultura, venha buscar em Cascavel: Uma Santa na Encruzilhada  uma oportunidade a mais para conhecer coisas que a maioria de nossa gente ignora, parcial ou totalmente. Mesmo sabendo como é difícil abrir cabeças que não têm espaço para a cultura.
Um fato, que seria triste se não fosse cômico, ocorreu comigo após ter lançado Hienas e Crocodilos - Caso Tiago Novaes. Perguntado por um ilustre e rico comerciante sobre a aceitação do livro, fui até o carro e lhe trouxe um exemplar. Quando iria autografá-lo, abdicou, dizendo que não costumava ler nem jornal. Ao sair dali, pude rir da sinceridade dele, de sua santa e cruel ignorância.
**


 

terça-feira, 10 de abril de 2012

Receba autografado o livro Cascavel: Uma Santa na Encruzilhada


Para receber o livro  

Cascavel: Uma Santa na Encruzilhada 

autografado pelos autores, faça um depósito de R$ 40,00 (despesa postal incluída) na seguinte conta:

Regina Maria Sperança
Caixa Econòmica Federal
Agência 0568
Conta 38168-0

Envie-nos para o e-mail abaixo os dados do comprovante do depósito com seu nome e endereço e o nome da pessoa a quem o autógrafo será dedicado:

livrairegina@gmail.com

Se preferir apenas uma cópia digitalizada do livro, faça um depósito
no valor de R$ 20,00.
**
Metade do resultado das vendas do livro será destinada a um fundo para a publicação de novas obras de autores paranaenses.

quarta-feira, 28 de março de 2012

O livro da Santa


Por que escrevemos o livro Cascavel: Uma Santa na Encruzilhada?
Nosso último livro sobre a história de Cascavel saiu em 1992. Em 1994 publicamos Tuiuti, A Presença Azul, mas direcionando a narrativa à trajetória do clube.
Em 2010 saiu a edição comemorativa do cinquentenário da Acic, tendo a colaboração das queridas Mony Portes e Karla Ribeiro. Mas essa obra ficou restrita ao universo dos homenageados (fundadores e ex-presidentes) e dos empresários.
Este novo livro, que em família chamamos “o livro da santa”, foi motivado pelo completo desconhecimento que tem prevalecido nas últimas décadas em relação à história de Cascavel.
Quando afirmam erroneamente o início da cidade em 1951 (aliás, o Município teve início em dezembro de 1952), negam que a cidade foi iniciada por caboclos e polacos a partir de 28 de março de 1930.
Foram duas décadas de trabalho duro para formar uma cidade digna de se tornar sede municipal. Isso não pode ser ignorado!
Tentam apagar o Jeca da história. Eliminam a memória da santa. Há quem até negue que um dia Cascavel foi conhecida como Encruzilhada dos Gomes. Muitos ignoram, por desinformação, que por muito pouco, não fosse por um truque de Jeca Silvério, armado com o telegrafista Bento Barreto, o nome de Cascavel não ficou Aparecida dos Portos.
Aliás, para os religiosos nunca foi Cascavel: era Aparecida dos Portos. Assim eles escreviam suas cartas para os parentes, assim as crianças escreviam no cabeçalho das provas instruídas pelos professores, todos muito religiosos.
Eliminar a Encruzilhada dos Gomes, a santa, os caboclos, sertanejos, polacos e jecas da história de Cascavel é um crime contra a memória dos pioneiros.
Basicamente, o livro trata da batalha entre religiosos e políticos para impor um nome à cidade.
Os políticos venceram, mas os religiosos ocuparam o coração da cidade com sua Catedral e sua santa representada por Dirceu Rosa.
Consideramos que o diferencial do livro, além de sintetizar essa polêmica em torno do nome da cidade, é, pela primeira vez no Brasil, publicar a biografia de monsenhor Guilherme Maria Thiletzek, o idealizador do nome que quase venceu: Aparecida dos Portos.
A santa Aparecida dos Portos, enquanto divindade ou representação de uma senhora santificada jamais existiu, mas o povo existe e faz história!*
**
http://livrai-noscascavel.blogspot.com/2012/04/receba-autografado-o-livro-cascavel-uma.html

Conheça também o livro que foi a base da História de Cascavel:

Pequena História de Cascavel e do Oeste

Adquira a edição virtual do primeiro livro sobre a História de Cascavel

Faça um depósito de R$ 10,00 na seguinte conta:

Regina Maria Sperança
Caixa Econômica Federal
Agência 0568
Conta 38168-0

Envie-nos para o e-mail abaixo os dados do comprovante do depósito
e receberá o livro virtual em PDF e a senha para abri-lo

livrai_nos@ig.com.br

sexta-feira, 16 de março de 2012

quinta-feira, 8 de março de 2012

É seu aniversário? Eis seu Presente!

  Rápido passeio por uma poesia

com gosto de araucária e terra roxa


Pequena coletânea de versos apresentando poetas já consagrados e novos autores que também merecem reconhecimento pela qualidade de seu trabalho.

Parabéns e divirta-se!

 Clique AQUI para ver seu presente!


//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

sábado, 21 de janeiro de 2012

Livros de autores paranaenses

Livrai-nos!

O Projeto Livrai-Nos! foi criado para combater o analfabetismo completo e funcional e promover a leitura, especialmente de autores paranaenses. 

É uma ideia que nasceu com a Academia Cultural Uso da Palavra (Acup), idealizada por Regina Sperança e Duka Siliprandi.
A proposta é toda baseada em presentear livros: toda pessoa que adquirir um livro ganhará outro, virtual e surpresa, como presente.
O primeiro brinde-surpresa está disponível para quem acessar esta página. Basta ir apanhá-lo:
Brinde-Surpresa